Novo mangá do autor de Kakegurui é cancelado após o primeiro capítulo

Leitores notaram que vários personagens possuíram semelhanças com personagens outras obras, forçando o cancelamento
Publicado por Allan Kardec, em .

Anunciado a poucos meses, o novo mangá do autor de Kakegurui, Isekai Tenseisha Koroshi - Cheat Slayer (The Killer of the Reincarnated - Cheat Slayer) foi cancelado após sua primeira publicação.

A ação foi tomada após os editores da revista Monthly Dragon Age em que ele foi publicado, serem aviados pelos leitores, que apontaram semelhanças entre os vilões do mangá com personagens particulares em outras obras. Em resposta o departamento editorial reinspecionou o mangá e determinou que haveria problemas em retratar personagens com semelhanças tão óbvias como vilões desta nova obra, o que poderia ser visto como algo que iria denegrir intencionalmente obras especificas.

Após a reinspeção o departamento pediu desculpas aos criadores de tais obras e outras pessoas envolvias, e afirmou que prestará mais atenção para evitar problemas semelhantes no futuro.

IMAGEaHR0cHM6Ly9zdGF0aWMubWFkaW5maW5pdGUuY29tL2ltYWdlcy9iaWcvMTEvMDEwNDc0LmpwZw==

A história retrata um protagonista que julga as pessoas que se reencarnam vindas outro mundo, e segue um aldeão chamado Lute que quer se juntar à guilda "Rebels Against God", que é composta por pessoas reencarnadas e que lutam contra o exercito do Lorde Demônio.

As semelhanças entre personagens são visíveis nos membros desta guilda, onde podemos notar semelhanças físicas com personagens de populares séries isekai, como Rimuru de That Time I Got Reincarnated as a Slime, Kirito de Sword Art Online, Ainz de Overlord, Aqua de KONOSUBA e Catarina de My Next Life as a Villainess: All Routes Lead to Doom!.

IMAGEaHR0cHM6Ly9zdGF0aWMubWFkaW5maW5pdGUuY29tL2ltYWdlcy9iaWcvMTEvMDEwNDc1LmpwZw==

Após o cancelamento o autor Homura Kawamoto emitiu uma nota pedindo desculpas em sua conta no Twitter:

Peço desculpas profundamente por toda dor, preocupação e confusão que causei a todos relacionados a este incidente. Criei uma obra que carecia da devida consideração e tenho vergonha de ter causado um incidente como este. Daqui para frente, minha vergonha sobre minhas ações me encorajará a criar trabalhos melhores. Lamento profundamente.

Alguns dos autores que tiveram seus personagens retratados também se pronunciaram:

Rifujin na Magonote de Mushoku Tensei disse:

Fazer os protagonistas dos chamados isekai trapacearem os vilões e fazê-los fazer coisas vis = sem problema;

Fazer aparecer personagens que são reconhecidamente emprestados de personagens de outras obras (que se parecem) = Não vou dizer que não é um problema, mas não é um "grande" problema;

Fazer aparecer personagens que são reconhecidamente emprestados de personagens de outras obras, e depois transformá-los em vilões e fazê-los fazer coisas vis = Isso é cruzar os limites;

Fuse de That Time I Got Reincarnated as a Slime comentou em seu blog:

Recebi um pedido de desculpas do departamento editorial da Dragon Age. Para um autor, a imagem do personagem é importante, então eu peço que se você fizer uma paródia, não exagere.

Isekai Tenseisha Koroshi - Cheat Slayer (The Killer of the Reincarnated - Cheat Slayer) foi publicado em 9 de julho, e era descrita como uma história de vingança "revestida de ódio e desejo", centrada em alguém que desejava matar todos que reencarnam de outro mundo.

Allan Kardec
Allan Kardec #okardec

Analista e Administrador de Sistema vulgo Programador

Amante de artes, com gostos peculiares e até duvidosos!

Todo dia [ou quase] criando uma análise ou indicando um indie interessante ou desconhecido.

Vem me ver testar algum joguim aleatório https://www.twitch.tv/okardec

Administrador, Earth, Solar system - Milky Way
Deixe seu comentário para sabermos o que você achou da publicação
Não se esqueça que você pode participar do nosso Discord.
E também nos seguir no Facebook, Twitter, Instagram e na nossa curadorida da Steam.
Postagens em Destaque
#Indie, Por MarK,
#Filmes, Por Allan Kardec,
#Games, Por MarK,
#Indie, Por Allan Kardec,