Hatoful Boyfriend não estará mais disponível na PS Store, nem para iOS e Android

Game estará disponível nestas plataformas até final de maio, após somente no Steam
Publicado por Allan Kardec, em .

O desenvolvedor do jogo Hatoful Boyfriend anunciou neste sábado que a partir do final de maio seu game não estará mais disponível para compara na PlayStation Store, nem no iOS e Android.

Não foi informado a decisão veio do desenvolvedor ou das plataformas, que levou o jogo a ser removido de suas listas, mas provavelmente a temática meio controversa tenha auxiliado a remoção.

No game o jogador controle uma garota que busca se apaixonar por um pombo em uma escola para pássaros superdotados. O jogo apresenta retratos de cada pássaro que sugere como eles seriam na forma humana.

A ideia por trás de Hatoful Boyfriend surgiu após uma piada de primeiro de abril que inspirou uma versão gratuita para download em julho de 2011, ganhando uma versão atualizada em agosto de 2011 e uma versão completa lançada em outubro de 2011. O sucesso do game fez com que ele ganha-se uma sequencia Hatoful Boyfriend: Holiday Star em dezembro de 2011 lançada para PC no Japão.

A editora Devolver Digital lançou o primeiro game digitalmente no Steam em 2014 após alguns atrasos, e logo após para PS4 e PS Vita em julho de 2015, e sua sequencia em dezembro de 2015.

Allan Kardec
Allan Kardec #okardec

Analista e Administrador de Sistema vulgo Programador

Amante de artes, com gostos peculiares e até duvidosos!

Todo dia [ou quase] criando uma análise ou indicando um indie interessante ou desconhecido.

Vem me ver testar algum joguim aleatório https://www.twitch.tv/okardec

Administrador, Earth, Solar system - Milky Way
Deixe seu comentário para sabermos o que você achou da publicação
Não se esqueça que você pode participar do nosso Discord.
E também nos seguir no Facebook, Twitter, Instagram e na nossa curadorida da Steam.
Postagens em Destaque
#Curiosidades, Por Allan Kardec,
#Filmes, Por Allan Kardec,
#Animes, Por Allan Kardec,
#Animações, Por Allan Kardec,